Desenvolvimento da Economia do Livro

O mercado editorial nacional movimenta cerca de R$ 8 bilhões anualmente e apresenta-se como o oitavo maior produtor de livros do mundo. Apesar de possuir números significativos como este, nem todo cidadão no Brasil tem acesso à leitura, à informação e à cultura – direitos que são garantidos pela Constituição.

 

De acordo com especialistas, o principal obstáculo para a compra e a leitura não é o preço, mas sim os diferentes interesses de autores e leitores, as características dos textos e a as dificuldades que algumas pessoas têm para ler e escrever. Logo, a questão central não gira em torno de ter ou não dinheiro para comprar um livro. É preciso, antes de tudo, haver interesse ou treinamento para apreender seu conteúdo. O grande desafio para quem trabalha neste segmento é disponibilizar os livros certos para cada leitor, muito mais do que divulgar o produto no mercado.

 

Em uma sociedade que tem como um de seus pilares a informação e a democratização dos bens culturais produzidos, é preciso haver muito mais informação para que os livros sejam distribuídos de forma mais equilibrada em todo o país.

 

Segundo o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), há um paradoxo neste cenário, uma vez que, de um lado, o país dispõe de um poderoso e pujante mercado editorial, com mais de 2.000 editoras que movimentam mais de 12.000 títulos e publicam 300 milhões de exemplares a cada ano. Por outro lado, é também verdade que existe concentração do público consumidor de livros segundo critérios geográficos, de classe social e de nível educacional.

 

Há também déficit considerável de livrarias no país. Existem pouco mais de 2.400 varejistas no Brasil, quando o ideal, segundo, os especialistas, seria por volta de 10.000 para o contingente populacional brasileiro. Por fim, a distribuição das livrarias é desigual se considerarmos que 89% dos municípios não possuem nenhuma livraria.

 

O PNLL articula então diversas ações para fomentar as cadeias criativa e produtiva do livro, a saber, a concessão de prêmios e bolsas, a organização do Calendário Nacional de Feiras de Livros, a realização do Projeto Livraria Popular (apoio à criação de pontos-de-venda de livro a baixo custo e ao desenvolvimento de micro e pequenos vaerjistas), etc.