Diretora da Benedito Leite vê projeto como “divisor de águas” nas bibliotecas públicas

Biblioteca maranhense tem “nova atitude” no recebimento de pessoas com deficiência (Foto: Divulgação/Museu da Imagem e do Som do Maranhão)

 

O Projeto Acessibilidade em Bibliotecas Públicas foi desenvolvido para garantir a inclusão em dez bibliotecas espalhadas por todo o país, mas se aproxima de um objetivo ainda mais amplo. Segundo a diretora da Biblioteca Pública Benedito Leite, em São Luís-MA, Aline Nascimento, o projeto também faz subir de patamar a discussão sobre acessibilidade em espaços públicos.

 

“O mais importante é que o projeto possibilitou à biblioteca pública a mudança de atitude dos servidores da casa. Além dos recursos, dos livros, hoje temos funcionários que respeitam as pessoas, que tentam fazer diferente. O projeto foi um divisor de águas nas bibliotecas: hoje, procuramos fazer tudo de forma acessível e inclusiva”, afirma Aline Nascimento, que também é coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Maranhão (SEBP/MA).

 

O avanço do Projeto Acessibilidade em Bibliotecas Públicas capacita os servidores destes locais, o que é fundamental para garantir o acesso das pessoas com deficiência à cultura. “A partir do projeto, os funcionários puderam mudar, e isso faz a diferença”, explica Aline Nascimento.

 

Além da capacitação dos profissionais, a Benedito Leite passou a ter equipamentos para acessibilidade, tais como impressora Braille e lupa eletrônica. Recebeu também notebooks e tablets, pelos quais as pessoas com deficiência podem acessar o conteúdo audiovisual acessível desenvolvido pelo próprio projeto.

 

Toda essa evolução faz a diretora apostar na possibilidade de a iniciativa fazer das bibliotecas beneficiadas um exemplo para outros espaços públicos. “Estamos tentando fazer da Benedito Leite uma referência, levar o que aprendemos aqui para outras bibliotecas estaduais do Maranhão. O projeto tem início, meio e fim, mas as ações não podem parar. É isso que estamos tentando fazer, porque agora temos funcionários preparados”, completa Aline Nascimento.

 

Há alguns meses o SEBP do Maranhão recebeu representantes de 93 bibliotecas estaduais para debater a inclusão. A proposta encaminhada ao Governo do Estado reivindica rampas, elevadores e materiais inclusivos para acessibilizar os espaços já existentes.